🐰Gold Easter Offer! 🎁50% OFF on Premium! Get It Now
This is a print version of story Férias em Espanha (5) by Mikass1968 from xHamster.com

Férias em Espanha (5)

Nessa noite dormi pouco passando em retrospectiva os últimos dias em Espanha e toda a sucessão de acontecimento que foram ocorrendo de forma não programada. É verdade que há já algum tempo fantasiava com a possibilidade de introduzir alguém na nossa cama mas sempre tinha pensado em mais uma mulher. Nada aconteceu como sonhado e, apesar de as férias ainda não terem terminado, sem saber o que ainda aí viria, não me arrependia do que tínhamos vivido. Bastava-me recordar a forma como a Patrícia tinha obtido imenso prazer, ao ser usada por aqueles paus negros, para imediatamente ficar duro de tesão.
Sou corno, sim sou, mas que se lixe pois dava-me imensa tesão e para além do mais também ela estava a obter imenso prazer e no final isso era o mais importante.
Saímos os dois e fomos passear até Cabo da Gata. Precisávamos de alguma tranquilidade e descanso. Para lá fomos calados. No regresso coloquei a mão na perna dela enquanto conduzia e ela colocou a dela por cima da minha. Não foram precisas palavras. Acho que ambos sabíamos o que o outro sentia e ambos sabíamos que muito provavelmente a nossa vida iria mudar a partir destas férias.
Nessa noite a Patrícia foi-se deitar e eu resolvi ir experimentar a piscina coberta, algo que ainda não tínhamos feito. Quando lá cheguei estava apenas uma pessoa a fazer piscinas de uma ponta à outro. Enquanto tomei o duche, prévio à entrada na água, reparei que se tratava do Luiz. "Olá como estás? tudo bem?" perguntei, com ele a responder que sim e a perguntar pela minha mulher. Explicado que tinha ido dormir entrei na água e dei umas braçadas para aquecer, ainda que a água não estivesse fria.
Aproximei-me dele e ficámos os dois a conversar na borda da piscina. Começou por elogiar a Patrícia e também a nossa abertura enquanto casal. Expliquei que era a primeira vez que nos acontecia e, que eu saiba, depois de casados o João tinha sido o primeiro e ele o segundo homem, para além de mim, a ter relações com a minha mulher. Que também para mim tinha sido uma nova experiência. Quando me perguntou se tinha gostado de os chupar respondi que sim. A pergunta seguinte foi se me apetecia fazê-lo novamente. Fiquei parado sem responder e ele perguntou-me se queria passar na casa deles, pois o João tinha ido sair. Podia provar uma cachaça de banana que ele tinha trazido do Brasil. Olhei e pensei que ele estava no gozo. Nunca tinha ouvido falar em cachaça de banana, mas não disse nada.
A realidade é que a bebida existia mesmo e até que era agradável. Sentados no sofá a beber ele pegou-me na mão e pousou-a naquele caralho negro. Segurei-o e era muito maior e mais grosso que o meu. Fui massajando lentamente, apalpando e sentindo-o a começar a crescer. Espantosamente, também ele colocou a sua mão no meu, que a esta altura já se encontrava duro. Colocou o outro braço por cima do meu ombro e incentivou-me a baixar a cabeça.
A vontade de o fazer era real e baixei-me colocando a língua de fora e beijando aquela cabeça de chocolate. Passei-a ao longo de todo ele engolindo cada uma das bolas à vez. Regressei acima e com a duas mãos em volta dele voltei a enfiá-lo na boca. Ele segurou no mastro e bateu-me com ele na cara enquanto me perguntava: "Gostas de mamar viadinho?" "Huummm, hummm" foi o que consegui dizer. Entretanto já tinha abandonado o sofá e estava agora de joelhos à frente dele a mamar a rola cheio de tesão. "Tu és uma putinha e sabes mamar" disse-me, "empina esse cuzinho".
Ali estava eu, nesta altura já não de joelhos mas sim de rabinho para o ar a mamar uma verga e o pior, ou melhor, é que estava a gostar. Continuei a tentar dar-lhe o máximo prazer possível até que ele me convidou para ir-mos para o quarto, até porque o João poderia chegar a todo o momento. Mal me deitei ele aproximou-se de mim e colocou o meu pau na sua boca, engoliu e chupou. Espantado, mas satisfeito com a situação fechei os olhos e ele continuou a engolir o meu caralho. Sugou durante uns momentos enquanto me apertava os mamilos, o que me fez gemer de tesão com aquela nova situação. Retirou da boca e levantou-me as pernas, abrindo-me o rabo, enquanto passava a língua pelo meu rego. Cuspiu para o meu olho e enfiou um dedo em mim. Depois outro. Voltou a enfiar o meu pauzinho de baunilha na boca e a dar-me prazer.
Tenho um pau de, sensivelmente, 17/18 cm do qual nunca me envergonhei mas junto do João e do Luiz era inevitável sentir-me envergonhado com o tamanho do meu pénis.
Encostou o pau dele no meu rego e bateu-me com ele, encostando a cabeça ao meu buraco e enfiando um pouquinho. Estava cheio de medo e disse-lhe que não sabia se aguentava algo tão grande.
Riu-se quando me perguntou de que tinha medo e "a tua putinha aguentou e tu estás com medo?." Não tive resposta.
Continuou a excitar-me o anus e esticando-se retirou lubrificante da mesa de cabeceira que me aplicou e também no seu margalho.
Já bem lubrificado conseguiu enfiar quase a cabeça em mim e parou.
Estava deitado na borda da cama, com o rabo mesmo à beira, e as pernas nas mãos dele, bem levantadas, enquanto ele do lado de fora da cama fazia alguma ginástica para conseguir aguentar-se. Eu estava demasiado alto para ele estar de joelhos mas demasiado baixo para ele estar de pé.
Virou-me e já comigo de barriga deitou-se em cima de mim ficando com o seu pedaço de carne no meu rego. A sensação era agradável. Começou a tentar penetrar-me mas não estava a ser fácil. Confesso que também não estava a ajudar. Apesar da vontade de o sentir continuava a tentar fechar o meu rabo, impedindo-o de consumar o ato.
Quando ele se colocou de joelhos e me puxou pela cintura obrigando-me a ficar de quatro a minha resistência diminuiu um pouco e pude sentir a cabeça daquele pau a penetrar-me. Enfiou apenas a cabeça e retirou colocando mais lubrificante e tapou novamente o meu orifício.
Puxava-me pela cintura forçando-me a empalar-me naquela verga. Sentia dor mas era algo que tinha pensado fazer, ou melhor, deixar fazer durante os últimos dias e por isso tentei aguentar. Retirou e voltou a colocar lubrificante colocando-me os dedos no rabo e introduzindo dois. Deu-me uma palmada no rabo enquanto me revelava que adorava comer um viado. Era o que eu era, um viado cheio de vontade de sentir aquele pau no meu cu.
Disse-me que talvez fosse melhor outra posição e deitou-se enquanto eu, de costas para ele, me tentava sentar naquele caralho. Esta posição permitia-me controlar totalmente a quantidade de mastro que me penetrava. Estava a ser muito cauteloso enfiando pouco mais que a cabeça e retirando novamente. Quando ele me puxou para trás obrigando-me a deitar em cima dele perdi o equilíbrio e enterrei-me bastante mais do que queria, provocando-me dor. Fiquei parado mas não deu grande resultado pois ele rapidamente iniciou uns pulos debaixo de mim. Julgo que terá entrado todo a certa altura e continuou o seu movimento. A pouco e pouco e dor ia dando lugar a algum prazer. Mais do que sentir o rabo preenchido era a própria situação que me excitava. Também eu estava a ficar com tesão e o meu caralho reflectia a excitação que agora sentia.
Virou-me e ficámos deitados de lado. Levantou-me a perna e segurou no meu pau, quase me batendo uma punheta, sem nunca parar o seu movimento e as estocadas no meu rabo. Era certo que cada vez penetrava mais fundo. Por esta altura já ambos gemíamos de prazer.
Era uma nova sensação, a de ser tomado por um mastro que me comia. Havia, claro alguma dor associada mas também algum prazer depois dos primeiros momentos.
Estava eu a pensar no porque de ter aceite estar sozinho com o Luíz e se gostaria de repetir a experiência quando ele retirou o pau do meu rabo e rapidamente iniciou uma punheta começando a esporrar-se para cima do meu peito, com um dos jatos a atingir a minha cara.
Depois de uns momentos deitados a recuperar energias levantei-me para ir tomar um duche. Quando estava já debaixo do chuveiro ele aproximou-se de mim e apalpou-me o rabo com uma mão enquanto com a outra me segurou no caralho. Colocou-se de joelhos à minha frente e iniciou um broche. Enquanto me chupava continuou a tocar-me no rabo. Estava quase a atingir o orgasmo quando ouvimos o João a chegar e de imediato o Luís se afastou de mim deixando-me com os tomates cheios e uma enorme vontade não satisfeita.
Abandonei a casa deles e regressei à nossa insatisfeito.
Quando criamos expectativas e elas saem goradas no último momento ficamos desapontados.
Story URL: https://nl.xhamster.com/stories/f-rias-em-espanha-5-943664
Gelieve of om opmerkingen te plaatsen
Als spammers op je content reageren, ben jij de enige die zulke reacties kan zien en beheren Alle verwijderen
Obrigado por mais uma historia excitante.
1 maand geleden
Antwoorden
Já conheces o meu parecer sobre as tuas histórias: todas muito bem escritas e altamente excitantes. Já agora, com esta foste um patamar acima. Simplesmente PERFEITA. Não obstante o final 'frustrado', a punheta foi inevitável!
1 maand geleden
Antwoorden